Print Friendly, PDF & Email
O Sistema CFA/CRAs se irmana e solidariza à voz da sociedade brasileira e das famílias enlutadas

Segundo a Anistia Internacional, o Brasil é o país onde mais morrem defensores dos direitos humanos no mundo: foram 62 assassinatos de janeiro a setembro de 2017.

A voz que se cala agora é a da Vereadora Marielle Franco e de Anderson Gomes. Ambos tiveram suas vidas encerradas de forma hedionda, infame e torpe, o que reverbera profundamente no coração e na consciência nacional, desperta e conclama a sociedade brasileira à união e à mobilização de todo o seu povo, fundamentado nos valores e princípios morais e éticos universais.

Todo cidadão tem de se opor, sem temor, a todas as formas de ilicitudes, mormente quando se destinam a ameaçar vidas: é preciso dar um basta à banalização da morte por quaisquer formas de violência e à construção deletéria de estruturas e práticas em nosso país que estimulam a discriminação e os preconceitos.

Alinhado a essa vertente do pensamento nacional que repudia a escalada de um quadro de violência inaudita contra o ser humano, o Sistema CFA/CRAs, em Convenção na cidade de São Luís, Maranhão, se irmana e solidariza à voz da sociedade brasileira e das famílias enlutadas; repudia em uníssono a tirania e opressão contra o direito à vida,  à liberdade de opinião, ao trabalho, à educação, às diferenças de crenças religiosas e às diferenças de gênero, sexualidade, cor e raça. Também profere um brado vibrante contra a corrupção, a dilapidação do patrimônio público e das instituições nacionais, do povo brasileiro e contra todos os demais desafios que rondam a democracia, como o populismo, a exclusão social e a falta de confiança nas distintas instâncias governamentais.

Chega de tantas iniquidades!

Adm. Wagner Siqueira
Presidente do CFA