NA FESP:
MODERNIZAÇÃO EM TREINAMENTO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Vinte anos à frente do seu tempo, Wagner Siqueira revolucionou as práticas gerenciais na Fundação Escola de Serviço Público, atual, CEPERJ – Fundação centro Estadual de Estatística, Pesquisas e Formação dos Servidores Públicos adotando modelos que hoje em dia são debatidos em seminários e congressos.

Entre eles estão a aprendizagem a partir da experiência, aprender a aprender, a aprendizagem por repercussão, administração de conflitos ganha/ganha, capital intelectual, motivação e presservação da moral e do comprometimento das pessoas envolvidas, lealdade ao cliente e muitas outras.Tendo desenvolvido, em anos, anteriores, atividades ligadas ao setor privado, Wagner Siqueira demonstrou o pressuposto de que não existe diferença essencial entre uma organização pública e uma organização privada.

Existem, sim, forças diversas que atuam sobre cada uma delas, e que não se pode esquecer de que ambas têm objetivos a cumprir. A antiga FESP requeria uma transformação radical e naquele governo passou ao status de Fundação. Mas isso não bastava para que a FESP se transformasse. E com Wagner Siqueira a FESP pode se transformar numa organização melhor, mais atuante e mais produtiva.

Em dois anos, a FESP tornou-se autofinanciável com os recursos gerados por serviços profissionais prestados por seu corpo técnico e docente. Todo um conjunto de esforços levou seu pessoal a oferecer, principalmente ao setor público um mercado natural, produtos e serviços que atendessem às suas necessidades e que fossem remunerados condignamente.

Um outro grande avanço foi a implantação de cursos gratuitos de aperfeiçoamento profissional para os servidores. A FESP adotou uma posição firme e decidida demonstrando à organização estatal a importância de indicar as atividades que seu pessoal deveria frequentar e efetivamente patrocinar o seu crescimento profissional. Tal providência reparou uma grave injustiça e violação do direito à educação, na medida que o pagamento feito pelo próprio servidor representava uma usurpação indevida de parcela do seu salário.

A atitude de educar para desenvolver, preconizada no Plano Diretor elaborado no início de sua gestão, foi a mola propulsora dos cursos, onde se procurou fazer com que os professores apendessem com alunos e que os alunos aprendessem com os seus mestres.

Inúmeros projetos foram colocados em prática e o trabalho de Wagner Siqueira à frente da FESP não se limitou aos treinamentos e se expandiu na sensibilização dos dirigentes de empresas e órgãos públicos na necessidade da precisa identificação do que precisava ser entendido e absorvido por uma clientela tão peculiar.

Dentre as realizações de Wagner Siqueira à frente da FESP destacam-se algumas que ultrapassaram as fronteiras dos órgãos de gestão governamentais e alcançaram a iniciativa privada, que também pôde se valer da experiência e do trabalho de Wagner Siqueira na FESP:

Treinamento Gerencial :: quando a FESP procurou sensibilizar os comandos do Estado para a importância da formação de uma mentalidade gerencial;
Ciclos de Debates :: experiência inovadora e sui generis, em que a FESP buscou nas manifestações da arte e cultura exemplos que possibilitassem o estudo das realidades organizacionais – programa que mereceu do insigne professor John Garletti, Diretor da Escola de Administração Pública da Universidade do Sul da Califórnia, o pedido para replicar nos EUA os mesmos eventos;
Moralização dos Concursos Públicos e a utilização de modernas técnicas de seleção, fazendo com que organizações do porte da CVM, da Embratel, da Procuradoria da Justiça da Universidade Gama Filho , da CME e de outras entidades privadas e governamentais solicitem continuamente seus serviços;
O trabalho de Consultoria que tornou a FESP uma entidade a serviço do desenvolvimento das organizações, prestando serviços técnicos para órgãos como SECPLAN, IPHAN, FININVEST, MEC, REDE GLOBO DE TELEVISÃO, FLBA, IPERJ, DNER, MINISTÉRIO DA FAZENDA E GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA.
Renovação dos procedimentos administrativos através da elaboração de instruções e manuais que revitalizaram o ciclo ideia-ação-resultados.

TRANSFORMAÇÃO E RENOVAÇÃO

A transformação da cultura organizacional foi um dos principais desafios de Wagner Siqueira e entre muitos, podemos destacar os seguintes pontos que foram fundamentais para as necessárias mudanças naquela organização:

:: a predominância de uma atitude voltada para resultados, competência e participação, sobre valores ultrapassados como status e hierarquia;
:: a renovação dos recursos humanos da Escola, na vontade corajosa de substituir os ociosos, incompetentes por quadros de excelência em suas áreas, servidores qualificados e comprometidos com o trabalho e com os objetivos.

O sucesso dos empreendimentos depende da qualidade dos colaboradores, não do seu número e Wagner Siqueira deixou para a FESP toda a sua experiência de gestor, contribuindo para que a entidade apendesse a a promover uma rigorosa auto-análise institucional que as extintas ESPEG e ESP já adiavam há alguns anos.

“… Aprendi muito nestes dois anos em que tive a satisfação de dirigir a FESP. Foi uma experiência riquíssima, que me permitiu confrontar, no dia-a-dia de trabalho, as teorias que alimentam minhas aulas como professor universitário ou o meu trabalho profissional como consultor de organizações.

Compreendi melhor, comparando minhas ações com aquelas analisadas por eminentes estudiosos da organização, porque as decisões de um executivo não são e nem serão aceitas por todos – colegas, chefes, subordinados. Na teoria da decisão, parece-me que a dimensão convicção ganha especial relevo.

Em verdade, muitos dirigentes contemporizam decisões e aceitam imposições na esperança vã de obter aprovação, especialmente de seus superiores. Esse é um traço de imaturidade profissional de quem não aprendeu a suportar o ônus da ambiguidade e da incerteza e o risco de perder o cargo. Este pode ser o beijo da morte. De todas as características comuns dos dirigentes competentes que conheço, a que mais rapidamente se evidencia é a sua capacidade de enfrentar a tensão nervosa, as pressões, o estresse.Todos eles aprenderam a viver – e, a maior parte do tempo sozinhos – sob grande tensão nervosa, oriunda do jogo de forças políticas e de interesses nem sempre os mais legítimos.”

Trecho do discurso de WAGNER SIQUEIRA no Auditório Belmiro Siqueira,
em 4 de abril de 1979, por ocasião da transmissão do cargo

de Presidente da FESP – Fundação Escola do Serviço Público do RJ.

NO IPERJ – PREVIDÊNCIA ESTADUAL

21112011 – O novo prédio da secretaria de Estado de Fazenda em novo prédio no Centro do Rio de Janeiro.

Wagner Siqueira foi Presidente do IPERJ – Instituto de Previdência do Estado do Rio de Janeiro, atual Rioprevidência, entre 1995 e 1998. Ao assumir, encontrou uma instituição que ainda trabalhava com papel carbono e registros manuais em fichas, que guardavam a história funcional de milhares de servidores estaduais.

Os servidores inativos e as pensionistas não eram tratados com dignidade e havia uma verdadeira indústria do “pistolão”. Só à custa de pedidos é que os processos de pensão tramitavam e as revisões de pensões eram feitas.

MODERNIZAÇÃO E TRATAMENTO DIGNO PARA APOSENTADOS E PENSIONISTAS

Na presidência, Wagner Siqueira implantou uma série de medidas para dar mais rapidez ao andamento dos processos, simplificou as solicitações e agilizou o acesso aos benefícios e ofereceu melhores condições de trabalho e mais segurança no desenvolvimento das tarefas dos servidores.

PAGAMENTOS EM DIA :: Todos os benefícios passaram a ser pagos em dia. Foi criada a Tabela Anual de Pagamentos das Pensionistas.

CONTA CORRENTES PARA TODOS OS PENSIONISTAS :: As pensionistas não precisaram mais receber pagamentos em espécie, enfrentar filas o correr risco de assaltos. Todas passaram a receber seus benefícios em conta corrente, com direto à cartão magnético e recebiam seus contracheques em casa.

REVISÃO RÁPIDA E AUTOMÁTICA :: Quando era pedida a revisão do valor do benefício, o processo era anexados ao inicial, ou seja, onde foi inicialmente formalizado o pedido do benefícios, e os cálculos eram refeitos rigorosamente com base nos direitos do servidor falecido. Assim, em pouco tempo, todas as pensões estavam atualizadas. Foi criado o DAP – Documento de Atualização de Pensão, que foi o principal instrumento de informação, onde o órgão de origem do servidor falecido prestavam as informações relativas aos seus vencimentos e gratificações, para fins de cálculo da revisão da pensão.

IGUALDADE PARA AS LEGATÁRIAS :: O mesmo aumento que era aplicado às pensões das viúvas e filhos passaram a ser aplicados também às pensões legadas.

PENSÕES ESPECIAIS :: Foi normalizado o pagamento das Pensões Especiais que havia sido interrompido em 1993. As pensões especiais complementavam os 20% da pensão previdenciária.

INFORMATIZAÇÃO :: A implantação da informatização em todo o processamento das pensões foi definitiva para a mudança da cultura e das práticas de trabalho no IPERJ. O trabalho dos funcionários passou a ser mais rápido, mais seguro e sem a interferência de pedidos ou de “zangões” que atuavam em troca de propinas.

ATUALIZAÇÃO E ECONOMIA :: A informatização, aliada à abertura de contas correntes, teve ainda como resultado o cancelamento de 10.000 pensões que eram pagas indevidamente.
Resultado de imagem para secretaria de desenvolvimento social rj
NA PREFEITURA DO RIO: SECRETÁRIO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

Como Secretário Municipal de Desenvolvimento Social em 2003, executou o importante trabalho de encaminhamento de moradores de rua para abrigos e a difícil tarefa de fazer crianças e adolescentes retornarem às suas famílias.

Numa parceria pioneira com a rede de fast food Bob´s, WAGNER SIQU